Moda: A mulher Club Noir

Sempre gostei de Moda, mas nunca fui uma pessoa de sofrer muitas influências externas. Seguir tendência para mim é uma pura coincidência do destino. Sou muito intuitiva, quando acho que devo fazer alguma coisa do meu jeito, “faço e pronto”. Se errar, conserto. Se acertar, recebo as recompensas por isso.

 

Assim surgiu a CLUB NOIR, do meu profundo amor pelo PRETO e por acreditar no poder que esta cor tem para mim. O preto é, para minha marca, sinônimo de elegância, classe e sofisticação.

  

Na minha primeira coleção, estreia com direito a balada e pocket desfile com apenas 10 looks total black, lancei a marca com a cara e a coragem sabendo que estava lançando um conceito inovador. Da coleção fiz um editorial numa revista Pernambucana. Ela foi bem aceita na minha cidade e eu já estava muito feliz por isso.

Dias depois de a revista começar a circular, recebo uma ligação com DDD 011, era Costanza Pascolato que ligou para elogiar meu trabalho e as palavras dela soam até hoje na minha cabeça: “Menina seus traços são atemporais, você é muito contemporânea, sua linha é muito futurista. Você está de Parabéns e eu quero conhecê-la pessoalmente”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O encontro aconteceu e acho que esse foi o momento mais importante na minha carreira. Costanza me fortaleceu e me deu segurança de que o meu caminho intuitivo estava correto. E na mulher jovem, elegante e que gosta de sentir-se bem e confortável dentro da roupa que eu me inspiro. Sou alucinada por acessórios, acho que eles são o ponto de cor do look ideal.

 

 

 

 

Se você é essa mulher, venha conhecer a Club Noir e um pouquinho desse conceito.

Grande Beijo,
Flavia Azevedo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado